terça-feira, 23 de março de 2010

Afrika Bambaataa & Soulsonic Force - Planet Rock: The Album




“Afrika Bambaataa é o pseudônimo de Kevin Donovan (Bronx, Nova York, 19 de abril de 1957) é um DJ estado-unidense e líder da Zulu Nation, reconhecido como fundador oficial do Hip Hop.
Nasceu e foi criado no Bronx e, quando jovem, fazia parte de uma gangue chamada Black Spades (Espadas Negras, em português), mas viu que as brigas entre as gangues não levariam a lugar nenhum. Muitos dos membros originais da Zulu Nation também faziam parte da Black Spades, que era uma das maiores e mais temidas gangues de Nova York. Bambaataa se utilizou de muitas gravações já existentes de diferentes tipos de música para criar Raps. Usando sons, que iam desde James Brown (o pai do Funk) até o som eletrônico da música “Trans-Europe Express” (da banda européia Kraftwerk), e misturando ao canto falado trazido pelo DJ jamaicano Kool Herc, Bambaataa criou a música “Planet Rock”, que hoje é um clássico. Bambaataa também foi um dos líderes do Movimento Libertem James Brown, criado quando o mestre da Soul Music estava preso e, anos depois, foi o primeiro ‘Hip-Hopper’ a trabalhar com James Brown, gravando “Peace, Love & Unity”. Bambaataa criou as bases para surgimento do Miami Bass, Freestyle (gênero musical), ritmos que infuênciaram o Funk Carioca.”

  1. "Planet Rock" (Original Twelve-Inch Version) - 7:31
  2. "Looking for the Perfect Beat" (Original Twelve-Inch Version) - 6:51
  3. "Renegades of Funk" (Original Twelve-Inch Version) - 6:45
  4. "Frantic Situation" (Frantic Mix) - 5:07
  5. "Who You Funkin 'With?" - 6:23
  6. "Go-Go Pop" - 6:00
  7. "They Made a Mistake" - 5:30


sábado, 20 de março de 2010

Maquinado - Mundialmente Anônimo "O Magnético Sangramento da Existência"




É notável a evolução de Homem Binário (2007) para esse segundo trabalho, em grande parte influenciado pelo papa do suingue, Jorge Ben Jor. Se o primeiro era mais "eletrônico", mais disco de produtor, neste o som é mais "orgânico", e o guitarrista dá mais vazão ao instrumento no qual é um dos melhores de sua geração. "No outro, a guitarra era só mais um elemento. Este é superorgânico, apesar de ter as bases montadas de forma eletrônica, no caso da bateria, mas não significa que o som seja artificial", diz Maia. "Fora isso o resto foi tudo gravado de maneira tradicional."
Com maior liberdade de criação, ele também tomou conta de tudo desta vez. "No primeiro, fiz questão que as participações especiais fizessem parte da autoria da música. Aqui não: fiz tudo sozinho e a maior parte fiz com a guitarra." Maia está mais solto até nos vocais, embora reafirme que não é nem pretende ser cantor, usa a voz apenas como um complemento na maior parte das faixas. Em Tropeços Tropicais ele deixa a função para Lourdez da Luz, do Mamelo Sound System.
Maquinado vai além da colagem rock-samba/samba-rock, entrelaçando o que já era misturado com hip hop, dub e outras batidas, nitidamente influenciado por Jorge Ben Jor. "Ele é o nosso Jimi Hendrix. É o monolito principal pra mim", diz Maia, que colocou como faixa inicial a clássica Zumbi e usou sample de Charles, Anjo 45 em Girando com o Sol. Zumbi seguida de Dandara (dele) é homenagem dupla ao casal-símbolo da negritude brasileira, menos valorizado do que merece.


quarta-feira, 17 de março de 2010

Roberto Carlos - Coletânea Baixa Funda



Você Não Serve Pra Mim
Todos Estão Surdos
Detalhes
Como É Grande O Meu Amor Por Você
Debaixo Dos Caracois Dos Seus Cabelos
Quando
Quero Que Vá Tudo Pro Inferno
É Preciso Saber Viver
Não Vou Ficar
Ciúme De Você
É Proibido Fumar
Na Paz Do Teu Sorriso
As Curvas Da Estrada de Santos
Pra Ser Só Minha Mulher
Se Você Pensa
Eu Quero Apenas
Não Há Dinheiro Que Pague
Jesus Cristo
Amigo
Ilegal, Imoral ou Engorda
Além Do Horizonte



segunda-feira, 15 de março de 2010

The Tarantino Experience



Os filmes de Quentin Tarantino são muito mais do que apenas bons filmes. O diretor do recente “Bastardos Inglórios” é fanático por músicas da década de 70 e trilhas sonoras de faroestes antigos, principalmente as composições do mestre italiano Ennio Morriconne.

Isso explica o primor da trilha sonora de cada uma de suas crias . “Tarantino Experience” é uma verdadeira salada: o primeiro CD tem as pérolas dos dois “Kill Bill”, “Pulp Fiction” e até “Paint it Black”, do Rolling Stones. O segundo é mais lado B, com músicas poucos conhecidas e que às vezes passam batido na experiência tarantinesca.

01 Nancy Sinatra – Bang Bang (My Baby Shot Me Down) 02:41
02 Urge Overkill – Girl Youll Be A Woman Soon 03:11
03 Ladybug Transistor – Always On The Telephone 03:55
04 The Hurricanes – Out Of Limits 02:06
05 Geater Davies – Sad Shades Of Blue 04:13
06 Joe Cocker – Woman To Woman 04:26
07 Screamin Jay Hawkins – I Put A Spell On You 02:25
08 The Surf Coronados – Pipeline 02:12
09 Bilie Jo Spears – Fever 02:55
10 Chris Farlowe – Paint It Black 03:29
11 Scremin Lord Such – Murder In The Graveyard 02:57
12 Duane Eddy – Rebel Rouser 02:16

01 Dick Dale & The Del-Tones – Misirlou 02:16
02 Fendermen – Ghost Riders In The Sky 04:40
03 Dennis Yost & Classic IV – Spooky 02:48
04 The Meters – Look-Ka-Py-Py 03:13
05 Wilson Pickett – Something You Got 02:54
06 1910 Fruitgum Co. – Indian Giver 02:35
07 Lobo – You Me And A Dog Named Boo 03:07
08 The Grass Roots – Midnight Confessions 02:47
09 John Fred & His Playboy Band – Judy In Disguise 02:54
10 Nino Tempo & April Stevens – Deep Purple 02:43
11 Richard Twang & His Cadilacs – Apache 02:48
12 Johnny Cash – I Walk The Line 02:41

Download:Tarantino

terça-feira, 9 de março de 2010

Karina Buhr - Eu Menti Pra Você




De meia rendada, sapatinho de menina, presilha no cabelo, maquiagem colorida, Karina Buhr quase engana um incauto com uma carinha tímida. Logo seus olhos meio esverdeados se lançam sobre a platéia e saem da boca dessa figura doce que “uma fúria odiosa já está na agulha” ou uma canção de ninar pras crianças de Bagdá que diz ”dorme logo antes que você morra, está chovendo fogo e as ruas estão queimando”. Karina trabalha com o espontâneo e o inusitado de quem diz que quer passar a tarde estourando plástico bolha mas com um conteúdo muitas vezes desestabilizador. Suas imagens não são comuns e há qualidade na construção: “o céu embaixo das nuvens, a terra por baixo do asfalto, o centro da Terra que puxa a gente, a gente pula contra a vontade do chão”. Até pra falar de amor o discurso poético não é óbvio: “fria, não miro a ira, não miro mas te acerto no peito, quando mudo meu amor de endereço.
Karina nasceu na Bahia mas foi criada em Pernambuco onde viveu intensamente a música de raiz, as pastoras, o cavalo marinho, o maracatu. E traz de lá esse colorido em suas musicas e letras. Tem qualquer coisa de sonho a impressão que fica ao ouvir seu disco, ao ver seu show. Uma nuvem te envolve. E eu acredito que esse barato se dá pela originalidade de seu discurso que está nas letras, na postura de palco, na concepção musical contemporânea, livre da definição de gêneros e estilos. A diversidade é hoje uma realidade cultural e Karina Buhr é um talento em destaque nessa cena.
Há cerca de dez anos, Itamar Assumpção me disse o seguinte: a musica brasileira tem muitos melodistas populares, Luiz Gonzaga, Monsueto, Cartola, Lupicínio, Adoniran, as melodias são eternas, então se você diz que está na tal MPB tem que prestar atenção nisso, ser diferente é o mínimo!”.
Karina Buhr é diferente. “Eu Menti pra Você” é seu disco de estréia em carreira solo depois de anos no Comadre Fulozinha e já é uma das melhores coisas desse ano que começa agora. Os músicos são o que há de melhor nessa geração: Bruno Buarque (bateria, base mpc), Mau (baixo), Guizado (trompete), Dustan Gallas (teclados e piano), Otávio Ortega (teclados e bases eletrônicas), Marcelo Jeneci (acordeon e piano) e as guitarras mais incríveis do país Edgard Scandurra e Catatau, além da atriz alemã Juliane Elting e do percussionista cubano Pedro Bandera. Os caminhos sonoros, como já disse, vão muito além do conhecido. As referências estão diluídas na originalidade dessa reunião de talentos e faria feliz o exigente Itamar como faz a mim.
Há muito tempo eu esperava ouvir algo assim. Pra entender o que eu digo ouça o disco com liberdade e atenção pra aprender com Karina Buhr quando ela diz “pelo avesso vamos pro fundo (…)sinto muito que você não pensa nisso, surpresa sua. Mas pode ser também surpresa minha, surpresa sua”. E fique feliz!
Patrícia Palumbo



Eu Menti Pra Você
Vira Pó
Avião Aeroporto
Nassiria e Najaf
O Pé
Ciranda do Incentivo
Telekphonen
Mira Ira
Soldat
Esperança Cansa
Solo de Água Fervente
Bem Vindas
Plástico Bolha

*Todas as musicas são de autoria de Karina Buhr.



Download: Eu Menti Pra Você.rar