terça-feira, 31 de agosto de 2010

Rosemberg Cariry























Filósofo de formação, Rosemberg Cariry começou sua carreira cinematográfica em 1975 com documentários de curta metragem sobre artistas populares e manifestações artísticas do Ceará e do Nordeste. Depois, já na década de 1980, realizou os seus primeiros filmes documentários profissionais.
Em 1986, realizou seu primeiro filme de longa metragem (documentário),
A Irmandade da Santa Cruz do Deserto, episódio de resistência camponesa que ocorreu em 1936 e que terminou tragicamente com a intervenção armada do governo e com milhares de camponeses mortos. Essa história era um tabu e foi abordada pela primeira vez, com grande repercussão. O filme foi premiado nacionalmente e recebeu convite para participar de festivais em Portugal e Cuba. A partir de 1987, Rosemberg Cariry foi contratado pela televisão Verdes Mares para produzir programas culturais e realizar documentários sobre a história e as artes do Nordeste do Brasil.
Em 1993, quando a produção de cinema no país havia entrado em completo colapso, ele filmou, ainda como cineasta independente, seu segundo longa-metragem (ficção)
A Saga do Guerreiro Alumioso. Esse filme foi finalizado com apoio da Cinequanon de Lisboa e do Instituto Português de Arte Cinematográfica (IPACA). A ação se desenrola em uma cidade imaginária dos sertões. Ele mostra o confronto tradicional entre os camponeses e os grandes proprietários de terra, que será resolvido por um Dom Quixote sertanejo que se identifica com o mito de Lampião. O filme ganhou o prêmio de “Melhor Filme do Júri Popular”, o prêmio de “Melhor Ator” e de “Melhor Ator Coadjuvante”, no XXVI Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em 1993. A Saga do Guerreiro Alumioso marcou, de alguma forma, junto com três outros que foram produzidos na época, o movimento de resistência do cinema brasileiro. Esse filme foi selecionado para representar o Brasil no Festival dos Três Continentes de Nantes (França) e participou de muitos outros festivais internacionais: Portugal, Itália, Colômbia, Cuba, Canadá, Estados Unidos da América, Uruguai, Bélgica, etc.
Em 1995, Rosemberg Cariry obteve o Prêmio da Retomada do Cinema Brasileiro, em concurso realizado pelo Ministério da Cultura e pôde começar a produção do seu terceiro filme de longa metragem, ficção, que se chamou
Corisco e Dadá. O filme, baseado na história verídica de um casal de cangaceiros célebres nos anos 40, mostra em toda a sua dimensão trágica, a luta do homem pela sobrevivência nos sertões secos e miseráveis do Nordeste.Corisco e Dadá, um dos filmes do chamado “ Renascimento do Cinema Brasileiro ”, foi bem recebido pela crítica, teve lançamento comercial em muitas cidades brasileiras e obteve inúmeros prêmios no Brasil e no exterior, notadamente o Prêmio do Grande Coral ( 3º prêmio) em Havana (Cuba) e o Prêmio Cittá del Vasto (Adventure Film Festival), na Itália. Entre os muitos festivais internacionais de que participou, destacam-se :Toronto, Trieste, Toulouse, Nantes, Pal Springs, New Delhi, Chicago e Ankara.
Paralelamente à sua atividade, Rosemberg Cariry publicou também várias coletâneas de poesia, compôs canções com compositores regionais e exerceu atividade de jornalista cultural. Contribuiu notadamente para o reconhecimento e valorização da cultura popular tradicional nordestina. Por ter participado amplamente da preservação do patrimônio cultural do povo brasileiro, foi recompensado em 1996, pelo
Prêmio Rodrigo de Melo Franco / IPHAN, outorgado pelo Ministério da Cultura do Brasil.
Rosemberg Cariry é proprietário da
Cariri Filmes, empresa especializada em produções audiovisuais, sobretudo de filmes e vídeos artísticos e educativos. Na cidade de Fortaleza, onde reside, é membro do Conselho de Cultura do Estado do Ceará e participa de várias entidades culturais públicas.
Um traço marcante da obra de Rosemberg Cariry é a busca sempre renovada das fontes e dos encontros culturais: procura extrair o universal do particular, estabelecer ligações entre as diferenças culturais e, em particular, entre as formas eruditas e populares. Assim, o seu trabalho, profundamente imerso na cultura no Nordeste do Brasil, chega ao universal, através de uma dimensão essencialmente humanista.


Corisco e Dadá (1996)
O capitão Corisco, cangaceiro famoso por sua crueldade, valentia e beleza, também chamado de Diabo Loiro, rapta a menina Dadá, aos 12 anos. Após estuprá-la, faz dela sua mulher e, também, integrante do bando do cangaço. Enquanto isso, Zé Rufino, o chefe da polícia volante, promete a si próprio tornar-se imortal, transformando-se no matador de Corisco, cuja cabeça fora colocada a prêmio pelo governo.

Elenco:

Chico Diaz
Dira Paes
Antonio Leite
Regina Dourado
Chico Chaves
Denise Milfont
Luiz Carlos Salatiel
Virginia Cavendish
Maira Cariry
B. de Paiva
Teta Maia

Ficha Técnica:

Gênero: Aventura
Duração: 103 min.
Lançamento (Brasil): 1996
Distribuição: riofilme
Direção: Rosemberg Cariry




Cine Tapuia (2006)


Informações do filme:

Gênero: Drama

Diretor: Rosemberg Cariry
Duração: 96 minutos

Ano de Lançamento: 2006
País de Origem: Brasil
Idioma do Áudio: português
Qualidade de Vídeo: DVD Rip
Tamanho: 1 Gb
Legendas: Sem Legenda


O cego Araquém, com a filha Iracema, vaga pelos sertões nordestinos projetando velhos filmes. Nessas andanças, Iracema conhece Martim, um velho camelô português que vende de DVD’S e CD’S piratas e tem planos mirabolantes como vender para ser colocada na estátua de Santo Antônio, ainda sem cabeça.
Martim está interessado nos lucros das romarias e na exploração turística do local que, segundo ele, se transformará na Nova Lisboa. Iracema, fascinada pelo exotismo da fala estrangeira, deixa-se seduzir por Martim.O filme traz, assim, uma reflexão sobre a cultura sobre a cultura e a história do povo cearense, retomando o mito fundador do povo brasileiro, proposto pelo engenho poético de José de Alencar, no romance Iracema, e fazendo uma homenagem ao famoso cantador Cego Aderaldo.



Download:








Patativa do Assaré - Ave Poesia (2007)


• Direção: Rosemberg Cariry
• Roteiro: Rosemberg Cariry
• Gênero: Documentário
• Origem: Brasil
• Duração: 84 minutos
• Tipo: Longa-metragem


O filme aborda a vida e a obra do poeta Patativa do Assaré, destacando a relevância dos seus poemas, o significado político dos seus atos e a sua imensa contribuição à cultura brasileira. Dono de um ritmo poético de musicalidade única, mestre maior da arte da versificação e com um vocabulário que vai do dialeto da língua nordestina aos clássicos da língua portuguesa, Patativa do Assaré é a síntese do saber popular versus saber erudito. Patativa do Assaré consegue, com arte e beleza, unir a denúncia social com o lirismo.





8 comentários:

  1. Muito obrigado por disponibilizar essa obra prima!!! Muito obrigado mesmo!!!!

    Wellington Galvão

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Parabeniza pela postagem ótimo texto, concordo plenamente quando explícita a importância de Rosemberg Cariry para o cinema e cultura cearense e nordestina, ele marca de forma impar a retomada do cinema nacional. Gostaria de lhe perguntar sobre link do caldeirão da santa cruz v conhece? Tem como disponibiliza?

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigado pelos elogios companheiros...
    Também estou a procura do documentário "A Irmandade da Santa Cruz do Deserto" pela internet, mas até agora sem sucesso. Se por acaso conseguirem antes de mim me ajudem a compartilhar aqui. Abraço

    ResponderExcluir
  6. muito bom! obrigada por colocar os filmes!
    corisco e dada é foda.

    Joana.

    ResponderExcluir
  7. cara vcs são muito bons, baixa funda merece ser minha pagina inicial de navegação.

    ResponderExcluir
  8. Muito obrigado grande. Divulgar esses arquivos é uma necessidade. Abraços

    ResponderExcluir