Mostrando postagens com marcador Apanhador Só. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Apanhador Só. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Apanhador Só - Acústico-Sucateiro (2011)


Com versos filosóficos e música de espírito aventureiro, o disco do quarteto de Porto Alegre conquistou admiradores fiéis em shows pelos principais palcos do Rio Grande do Sul. Com ele, a banda ganhou, emvotação popular, concurso da TramaVirtual e foi ao Rio de Janeiro abrir show de Maria Rita. À viagem seguiram-se apresentações em São Paulo que renderam bons comentários e garantiram regresso à capital paulista, em 2008, e destaque em matéria do O Estado de S. Paulo sobre “novos artistas para ficar de olho”.
O segredo do sucesso do grupo está no talento para compor canções que remetem a uma ancestralidade pop de assimilação imediata, ao mesmo tempo em que desafia ouvintes atentos a desvendar novas camadas sonoras e líricas a cada audição. Foi esse equilíbrio entre o popular e o experimental que rendeu ao Apanhador Só tanto reconhecimento, antes mesmo de seu primeiro álbum, Apanhador Só, ser lançado em 2010 e ir direto para as listas de melhores daquele ano.
Consagrado pop
Com o lançamento do primeiro disco cheio, choveram elogios nas principais publicações culturais brasileiras destacando a destreza dos gaúchos para renovar e lapidar o rock – fundindo referências do tango ao reggae com o charme da percussão sucateira e poesias bem escritas e bem cantadas. Tudo isso numa embalagem impecável: cada canção ganhou uma ilustração do cartunista Fabiano Gummo e caligrafia próprias no encarte do disco – inestimável presente para os que, em plena revolução digital, esgotaram a primeira tiragem da bolachinha nos concorridos shows de lançamento.
O refinamento pop de seu debut colocou, definitivamente, o grupo na linha de frente da nova música brasileira, com direito a indicação na categoriaAposta MTV do Video Music Brasil 2010 e consagração no Prêmio Açorianos de Música, de onde o Apanhador Só saiu laureado por “Melhor Álbum Pop”, “Melhor Produtor Musical” (Marcelo Fruet) e “Melhor Projeto Gráfico” (Rafael Rocha).
Também disponível gratuitamente em seu site, Apanhador Só atingiu a impressionante marca de mais de 50 mil downloads em um ano – número que duplicou nos meses seguintes e vem crescendo diariamente. Os números se convertem em coro durante os shows, em especial em “Um Rei e o Zé” – cujo clipe, uma adorável e divertida partida de taco-bola produzida com esmero pela Sofá Verde Filmes, é presença constante na programação da MTV e levou a banda a ser indicada ao VMB 2011, desta vez como Revelação.
Aonde o povo está
O reconhecimento da crítica amparado por um séquito fiel de admiradores sustenta apresentações lotadas tanto em sua Porto Alegre natal quanto no cobiçado circuito do SESC São Paulo, em eventos disputados como Virada Cultural Paulista, Feira Música Brasil, o festival latino-americano El Mapa de Todos, e em casas de show e teatros das principais cidades brasileiras. A simpatia irresistível do frontman Alexandre Kumpinski, somada à guitarra esmerilhada de Felipe Zancanaro, ao baixo sedutor de Fernão Agra, à bateria precisa de Martin Estevez e à inefável bicicleta percussiva – símbolo da banda –, arrebata plateias por onde quer que passe.
Ainda colhendo os louros de sua bela estreia, o Apanhador Só decidiu, em 2011, reinventar seus recentes clássicos e trouxe a público um novo trabalho. Gravado na sala da casa de Kumpinski usando gaiola, sacos plásticos, ralador de queijo, cantil de escoteiro, talheres, pedaços de conduíte, tecladinhos, walkie-talkie e outras bugigangas, objetos eletrônicos e instrumentos lo-fi, o disco Acústico-Sucateiro evidenciou a capacidade de experimentar e inovar da banda. Além de disponibilizado para download gratuito, o material – que traz ainda a inédita “Na Ponta dos Pés” – saiu em fita cassete.
Novamente, com projeto gráfico ousado desenvolvido por Felipe Oliveira e ilustrado pelo cartunista Diego Gerlach, o lançamento incentiva o público a reciclar ideias e materiais. No encarte, a banda convida os fãs a também lançarem mão de objetos do dia-a-dia para criar arte e, nas apresentações, propõe que o público leve fitas cassetes (novas ou usadas) para serem trocadas por cópias do Acústico-Sucateiro.
A iniciativa abriu possibilidades para o grupo, que passou a realizarintervenções em lugares públicos das cidades que visita em turnê, como praças, parques, estações de metrô e pequenos teatros históricos (a exemplo do Paiol, em Curitiba), numa eficiente estratégia de ocupação e revalorização de espaços urbanos, para além da ampliação de plateias e contato contíguo com seu público.
Junto e misturado
Da síntese das duas experiências, nasceu o espetáculo Elétrico-Acústico-Sucateiro, que estreou com sucesso em Porto Alegre, com convidados como os músicos Ian Ramil, Marcelo Fruet e Homem-Banda, cenário, iluminação e projeções especiais e catarse do público em noites de sessões duplas – que devem percorrer teatros de outras cidades em breve.
No momento, o quarteto trabalha no clipe de “Nescafé“, considerada uma das melhores músicas de 2010. A canção recentemente foi cantada em show por Vitor Ramil e seu filho Ian (parceiro de Kumpinski nesta composição e também em “Um Rei e o Zé”) e estará no álbum de estreia do cantor Filipe Catto, a ser lançado pela Universal.
O Apanhador Só promete novo disco para 2012. Algumas músicas já aparecem no set list das apresentações do grupo – como “Torcicolo”, “Mas Não”, “Ele se Acordou”, “Salão de Festa” e “Paraquedas” – e apontam caminhos ensolarados para o futuro do grupo, mantendo o foco em experimentos que testam os limites do pop.
Créditos: Ikaro Choco



Download:Apanhador Só