Mostrando postagens com marcador Cérebro Eletrônico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cérebro Eletrônico. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Cérebro Eletrônico - Vamos Pro Quarto! (2013)



O Cérebro Eletrônico foi formado por volta do ano 2002 por Fernando Maranho e Tatá Aeroplano. Em 2003 eles gravaram em esquema caseiro e lançaram o primeiro disco intitulado "Onda Híbrida Ressonante" pelo selo Reco Head. O experimentalismo fez parte desse trabalho, que apesar de estar centralizado na música eletrônica, apontava o tropicalismo como a grande referência musical. 

Após o lançamento do primeiro disco, o "duo" Cérebro Eletrônico foi aos poucos tornando-se uma banda e diversos integrantes passaram pela fase inicial, entre eles Dudu Tsuda (teclados), Isidoro Cobra (baixo e backing vocal) e Helena Rosenthal (violão e backing vocal). O baterista Gustavo Souza faz parte da banda desde a primeira formação.

Por volta de 2006, a banda começou a criar um repertório de canções genuinamente "pop", onde o cinema, o dadaísmo, a literatura fantástica e a "mojicália" estavam estampados em notas e letras do que seria o segundo disco, intitulado "Pareço Moderno", lançado em 2008 em múltiplos formatos pela Phonobase Music Services. Desta vez a banda gravou em estúdio com o produtor Alfredo Bello (Dj Tudo). 

Em 2008 e 2009 entraram na banda Fernando TRZ (teclados) e Renato Cortez (baixo) que participaram do terceiro disco intitulado "Deus e o Diabo no Liquidificador", lançado em 2010. Canções como Decência, Cama, Sóbrio e Só e o Fabuloso Destino do Chapeleiro Louco, trouxeram uma roupagem mais psicodélica e guitarreira à banda. Alfredo Bello e Fernando Maranho assumiram a produção. 

Em 2013 foi lançado o quarto disco da banda "Vamos pro Quarto!", que pode ser considerado o mais eclético e experimental de todos os seus álbuns, com músicas de diversos tipos e jeitos, algumas bem inusitadas. Com produção e composição coletiva, o disco foi concebido em um fim de semana alucinante nas montanhas de Bragança Pta. A mix, gravação e coprodução ficou a cargo de Otavio Carvalho, o "Ota".


Download: Vamos Pro Quarto


segunda-feira, 20 de junho de 2011

Cérebro Eletrônico - Deus E O Diabo No Liquidificador (2010)



O Cérebro Eletrônico lança seu terceiro disco, “Deus e o Diabo no Liquidificador”. Com produção de Alfredo Bello (DJ Tudo) e Fernando Maranho, o álbum traz onze músicas, dez delas com letras assinadas por Tatá Aeroplano, sendo três em parcerias com Fernando Maranho, Isidoro Cobra e Marcelo Coutelo. Peri Pane colabora com “220V”, única canção do disco que não é de autoria da banda.
“Deus e o Diabo no Liquidificador” conta com participações especiais de Helio Flanders (Vanguart), Tulipa Ruiz, Leo Cavalcanti, Carlos Zimbher, Gustavo Galo (Trupe Chá de Boldo), Dudu Tsuda (teclado), Guilherme Calzavara (trompete), Maurício Fleury (teclado), Isidoro Cobra (voz), Alfredo Bello (moog e voz), Ana Elisa Colomar (violoncelo), Cíntia Zanco (violino) e Marcelo Monteiro (sax e flauta).
A banda chega ao seu terceiro registro depois de uma trajetória bem-sucedida com “Pareço Moderno”. O elogiado segundo álbum rendeu ao Cérebro Eletrônico indicações a prêmios, participações em grandes festivais ao lado de atrações internacionais e lugares privilegiados nas principais listas dos melhores lançamentos musicais do ano (2008) da imprensa especializada.
Em “Deus e o Diabo no Liquidificador”, o quinteto investe na sonoridade pós-tropicalista ora com acento pop – como nas faixas “O Fabuloso Destino do Chapeleiro Louco”, “Realejo em Dó” e “Os Dados Estão Lançados” –, ora com elementos da música brasileira, como as carnavalescas “Desquite” e “Desestabelecerei”. A primeira traz as vozes de Tatá, Tulipa Ruiz, Leo Cavalcanti, Gustavo Galo (Trupe Chá de Boldo), Carlos Zimbher e Isidoro Cobra e os teclados Dudu Tsuda em clima de baile no salão. Já “Desestabelecerei” emenda a marchinha em um breakbeat. O disco ainda conta com a balada “Cama”, o rock sessentista “Garota Esteriótipo”, com vocais de Hélio Flanders; e “220V”, do compositor Peri Pane