Mostrando postagens com marcador Di Freitas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Di Freitas. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Di Freitas




Com direção musical do pianista Lincoln Antônio, neste CD o compositor e instrumentista cearense Di Freitas toca violão, violoncelo, rabeca e outros instrumentos que criou a partir de um trabalho de pesquisa e experimentação musical com materiais alternativos desenvolvido há anos na cidade de Juazeiro do Norte (CE). O disco conta com catorze faixas: doze composições de Di Freitas e as versões para as músicas Vaca Estrela e boi Fubá, de Patativa do Assaré; e Juazeiro, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. O CD também conta com os músicos Éder “O” Rocha (percussão), Filpo Ribeiro (viola e rabecas) e Ari Colares (percussão), e a participação especial da cantora Juliana Amaral.


Download: O Alumioso

Ajude o artista. Compre o cd aqui: Loja Sesc








Francesca Della Monica & Di Freitas : Encontros ultra-musicais Nas grandes veredas das metrópoles e sertões

Toda vez que diferentes culturas musicais se encontram e dialogam entre si, via de regra, algo de novo e belo irrompe. Isso vem ocorrendo no curso da história de nossa vida musical, anfitriã generosa de várias culturas advindas de múltiplos lugares e etnias, frutificando novas linguagens e expressões da arte musical em nosso país.

Isto ocorre, precisamente, com o encontro de dois entes musicais de extraordinária sensibilidade, saídos de dois domínios tão diversos (o mundo da tradição e o da contemporaneidade), e, a um só tempo, revelador de tantas afinidades estéticas: o músico e luthier cearense Francisco Di Freitas e a musicista e cantora italiana Francesca Della Monica.

Di Freitas se notabiliza por sua perfomance na família das cordas (rabecas, violinos, violas e cellos), em instrumentos por ele mesmo criados mediante uma delicada artesania, usando como corpo de ressonância, cabaças colhidas da inóspita vegetação nordestina.

Francesca é considerada uma das vozes mais originais no panorama da música experimental italiana, tendo já trabalhado, inclusive, com o americano John Cage, célebre pelo experimentalismo no mundo da música alheatória, importante fonte de inspiração para seus exercícios da liberdade total e da imprevisibilidade composicional, onde a causalidade da organização do som e do silêncio é substituída pela casualidade.

Eis o fruto novo colhido no campo deste grande encontro:

- Improvisos entretecendo belas texturas musicais, pelo uso vocal/instrumental de climas timbrísticos, criando paisagens sonoras, tendo como chão, ora músicas do nosso acervo e cancioneiro popular, como o Trenzinho Caipira de Villa Lobos, e Asa Branca de Luiz Gonzaga, dentre outras, ora movimentos melódicos modais, vocalises expressionistas, bem como tapetes sonoros tecidos pela textura coral e ritmos de vozes e instrumentos percussivos, em movimentos pontilhísticos, seja no interior do código da linguagem tonal, seja pela liberdade de saltos intervalares para aquém ou além do tonalismo; - momentos densos obtidos pela sonoridade dramática que Francesca imprime na sua voz, tendo como contraponto a dramaturgia do texto enunciado pelo ator Cacá de Carvalho, inspirado no imaginário roseano de Grande Sertão: Veredas.

Talvez resida aqui a força mágica deste grande encontro provocado por duas almas artísticas de extrema sensibilidade: sons advindos dos grotões mais profundos de nosso interior sertanejo, dialogando com o material sonoro da modernidade urbana contemporânea.

Talvez resida aqui o desafio maior deste grande encontro: o convite para trilharmos um mundo de ambivalências, levando-nos a novas experiências estéticas, em um grande exercício de escuta diversificada, pela coexistência de mundos aparentemente tão diferentes: o familiar/ o estranho; o perto/ o longínquo; o rústico/ o sofisticado; o popular/ o erudito; o tradicional/ o experimental; o sertão/ a metrópole.

Consiglia Latorre
Download:UltraExistir