Mostrando postagens com marcador Frevo do Mundo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Frevo do Mundo. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Frevo do Mundo



Antologia renova o ritmo pernambucano unindo a tradição dos seus metais com novas texturas e interpretações de João Donato, Céu, Siba, Edu Lobo, Cordel do Fogo Encantado e maestro Spok, entre outros artistas
O frevo tem muitos amantes no carnaval. No cotidiano, nem tanto. Mas o disco Frevo do Mundo (Candeeiro Records), que chega às lojas em 28 de janeiro, busca justamente atrair ouvintes o ano inteiro. Com novas abordagens estéticas, esta antologia tem repertório incomum, apesar de formado por temas clássicos de Nelson Ferreira, Capiba, Luiz Bandeira e outros grandes compositores do gênero. Algumas melodias são pouco familiares até para os recifenses, numa mostra de que há muito mais do que Vassourinhas e Evocação No 1 para se escutar.
Aliás, das 14 faixas, talvez só Frevo No 1 do Recife, escrita por Antônio Maria em 1952, aqui presente na sólida interpretação de Edu Lobo, com arranjo de metais do maestro Clovis Pereira, seja facilmente conhecida em todo o país. As demais músicas, mesmo as que fizeram sucesso na Era do Rádio, hoje ficam restritas a Pernambuco.
Selecionado pelo Programa Petrobras Cultural, o disco impressiona pelos arranjos criativos, em que o frevo deixa de ser escravo da tradição e sofre modificações. Isso acontece logo na abertura do disco, com É de Fazer Chorar (clássico de Luiz Bandeira lançado originalmente em 1957), com a banda Eddie e a participação de maestro Spok utilizando os metais para fazer um frevo-canção com pitadas de ska.
João Donato - A surpresa sonora continua na faixa seguinte, Fogão, um frenético frevo-de-rua escrito por Sérgio Lisboa em 1953, que ficou bem mais suave nas mãos de João Donato, com acento caribenho e de bossa nova. "Parece de minha autoria. E o arranjo ficou em banho-maria porque não tenho a fervura do Recife e meu piano é lacônico", afirma Donato.
Mas o Frevo do Mundo não é daqueles tributos cujo tema homenageado passa por tantas mudanças que se descaracteriza completamente. Ao contrário, no disco está presente a essência das orquestras, do passo e da folia. O projeto inova exatamente por interagir com diferentes gerações da música brasileira e valorizar a escola de metais de Pernambuco. E contempla vários mestres da orquestração pernambucana. O brilho dos improvisos de Spok é dividido com os mestres Duda, Clovis Pereira e Ademir Araújo.
Céu e Orquestra Imperial - Os metais de Duda, por exemplo, ressalta tanto o piano de João Donato, como a batida eletrônica da cantora paulista Céu e o grupo 3 na Massa composto por Rica Amabis (Instituto) e Pupillo e Dengue (Nação Zumbi), no frevo-de-bloco Frevo de Saudade. O mesmo frescor e sobriedade na interpretação de Céu podem ser observados na voz de Rodrigo Amarante e sua Orquestra Imperial, em O Dia Vem Raiando. Esses dois temas são de Nelson Ferreira mas os arranjos diferem bastante do modelo tradicional de cantar frevo-de-bloco, geralmente feito em coro feminino, tendo apitos como introdução.
Já Siba e a Fuloresta renovam o frevo-canção Os Melhores Dias de Minha Vida, um antigo sucesso de Capiba de 1952, na voz de Carlos Galhardo. Embora produzida em estúdio, a faixa mais parece ter sido gravada nas ruas de Olinda, em pleno carnaval, quando os foliões descem as ladeiras ouvindo de longe as orquestras. Da mesma forma, esta faixa inicia com uma tuba isolada em som crescente, que ao poucos se soma a trompete, trombone, saxofone e bumbos.
Cordel - O disco regrava ainda Saudade, dos Irmãos Valença, que também é outro sucesso de 1952 e igualmente lançada por Carlos Galhardo, mas a versão do Cordel do Fogo Encantado, com o Maestro Duda, ressalta a voz teatral de Lirinha, recheada pelo diálogo melódico entre violão, fagote, clarinete, flauta e muita percussão.
Além da já citada faixa da banda Eddie, as versões com mais elementos da música pop ficaram por conta de Só Presta Quente, com Ortinho, e Oh! Bela, com o cantor China e o Sunga Trio. “Um frevo tão popular tinha que ter uma roupagem popularesca, numa mistura de Daftpunk, Kelly Key e Capiba”, brinca China.
A única música composta recentemente ficou para o Mundo Livre S/A, que faz uma bem humorada marcha de duplo sentido com Metendo Antraz, com direito a crítica ao imperialismo americano, típica do líder Fred 04. Já Isaar de França, mais conhecida como vocalista de DJ Dolores, mostra leveza em Paraquedista, de Roberto Bozan.
Frevo na flauta - O segundo tema instrumental do disco, ao lado de Fogão, é Isquenta Muié (Nelson Ferreira), com a banda recifense Flor de Cactus. “A viola faz o fraseado típico do sax e a flauta toma lugar dos metais na composição. O trabalho também tem o tom especial dado pelo Maestro Clóvis Pereira, que adicionou os instrumentos de sopro com a sonoridade de bandinha de interior, remetendo às antigas fanfarras”, comenta Caca Barreto, baixista e arranjador da banda.
A flauta também norteia o arranjo de Papel Crepom (Almira Castilho e Paulo Gracindo), num clima de andamento próprio dos anos 50. Gravada inicialmente por Jackson do Pandeiro, a nova versão é de Erasto Vasconcelos. E para concluir, a criativa Orquestra da Bomba do Hemetério encerra o disco com o contagiante frevo-de-rua Cabelo de Fogo (Maestro Nunes), intercalando a força dos metais, própria para sacolejar foliões do centro do Recife, com coral e percussão de boca.
Para Marcelo Soares, diretor da Candeeiro Records e produtor do disco em parceria com Pupilo (baterista da Nação Zumbi) e Caca Barreto, o resultado do trabalho é uma hibridização do ritmo pernambucano com novas texturas e interpretações, por meio da expressão de quem produz um novo estilo de música contemporânea no Brasil.
O maestro Spok, que tem se destacado com seu incrível trabalho de renovação do frevo, elogia a proposta. “Foi maravilhoso tocar com os músicos da nova geração. Na verdade, eu transito bem entre a tradição e a novidade. Gosto muito das duas tribos”, ressalta.


Faixas:
01. Eddie - É de fazer chorar
02. João Donato - Fogão
03. Céu e 3 na Massa - Frevo da saudade
04. Mundo Livre S/A - Metendo antraz
05. Orquestra Imperial - O dia vem raiando
06. China e Sunga Trio - Oh, bela!
07. Ortinho - Só presta quente
08. Siba e a Fuloresta - Os melhores dias de minha vida
09. Cordel do Fogo Encantado - Saudade
10. Isaar de França - Paraquedista
11. Flor de cactus - Inquenta muié
12. Edu Lobo - Recife (frevo n.1)
13. Erasto Vasconcelos - Papel crepon
14. Orquestra Popular da Bomba do Hemetério - Cabelo de fogo

Download: Frevo do Mundo