Mostrando postagens com marcador Graxa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Graxa. Mostrar todas as postagens

sábado, 16 de maio de 2015

Graxa - Aquele Disco Massa (2015)




O “cronista do Jiquiá” ataca novamente! O cantor e compositor Graxa lançou, nesta segunda (11), o seu segundo álbum, Aquele Disco Massa. O novo trabalho do músico está disponível, para streaming, na plataforma virtual bandcamp e traz 12 faixas onde a veia cáustica e, ao mesmo tempo, bem humorada, se faz presente em cada uma delas. 
No seu primeiro álbum, Molho (2013), Graxa fala de situações diversas do cotidiano, com boas pitadas de irreverência. Em Aquele Disco Massa, ele tem como alvo do seu discurso, em boa parte das músicas, a indústria cultural e a sua interferência na relação artista x mercado. A sonoridade do disco também ganhou quilos de robustez com relação ao anterior. Graxa, agora, se aprofunda no universo do rock. Guitarras mais pesadas compõem a sonoridade das canções, que podem ir do blues ao romantismo, mas sempre com uma “guitarra pancada”, como diz o músico.
O processo de gravação, também diferente do seu primeiro disco, trouxe mais organicidade ao som. Em Molho, as músicas ainda não contavam com uma banda-base e as baterias foram criadas em programações de computador. Dessa vez, Graxa, que agora já tem sua banda formada e ensaiada para as gravações e shows – Rama Om (guitarra) e Tiago Marditu (bateria) -, optou por trazer para o disco um som mais orgânico, com sonoridade de banda. As baterias foram gravadas no estúdio Engenho do Som, em Engenho Velho. Os demais instrumentos foram captados no estúdio Duzamigos, na Boa Vista, e também na casa do próprio Graxa. A mixagem e a masterização ficou a cargo de Adriano Leão, do Estúdio Pântano. A foto da capa foi feita por Igor Marques e o projeto gráfico do disco é do artista visual Daaniel Araújo.
Assim como no trabalho anterior, Graxa agregou os amigos músicos para colaborarem com o som de Aquele Disco Massa. Ao longo das 12 faixas, são várias as participações: Isaar, Juliano Holanda, Claudio N, Grilowski, Hugo Coutinho, Leo Vila Nova, Julio Andrade, Filipe Franco, João Tragtenberg, Deco do Trombone, Leonardo Luiz e D Mingus.
Souvenir retrô
Se em Molho, Graxa lançou uma tiragem em vinis, pelo selo Media 4 Music, com Aquele Disco Massa o músico surpreende e já está providenciando uma tiragem em fitas K7, de forma independenter Segundo ele, as fitas poderão se tornar um souvenir, mas também terão uma funcionalidade: através de um QR-Code, quem adquirir a fita poderá fazer o download do álbum completo para o smartphone.

Download: Aquele Disco Massa




terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Graxa - Molho (2013)



Angelo Souza resolveu se cercar de canções cronicamente confessionais para estrear com o disco Molho. Sob a alcunha de Graxa, rodeado de amigos-músicos, entre eles D mingus – que trabalhou na co-produção do álbum juntamente com o próprio Graxa –, fez da confissão um método de composição que, em medidas desproporcionais, correria o risco de soar clichê e ultrapassado. Não foi o caso. A habilidade de Graxa em traduzir os pequenos desastres do dia a dia em música fez das letras do disco recortes irônicos da vida. “Vou ter que decidir se eu bebo ou seu trago/ E como eu já to embriagado eu decido comprar”, sussurra a voz e teclas da faixa de abertura “Acho que nesse domingo eu vou ficar triste”.

O álbum é dividido em Lado A e B, com a faixa título “Molho” recortando esses dois lados. A música não chega há ter um minuto sequer, mas diz muito sobre o humor presente nas letras de Graxa, e serve muito bem para representar a mistura de rock e blues que passeia pela maioria dos arranjos. “Tendo no espelho saudades do meu cabelo” e “Um bando de crocodilos” são outros destaques que mimetizam várias possibilidades estéticas nas composições do álbum. A cantora Isaar, por exemplo, regravou “Tudo em volta de mim vira um vão” para o seu novo disco, a ser lançado brevemente. Assim, as canções de Graxa têm aberturas que permitem a outros artistas se apropriarem delas. Molho, de forma surpreendente, consegue soar antigo sem ser anacrônico. As texturas alcançadas durante as gravações, bem como as participações especiais, assim como a de Aninha Martins em “Doutor, por favor” e “Que resignação” deram um colorido especial para as vozes de Graxa, presente nas crônicas que ele destila, nos assuntos prosaicos em que aborda. Sem perceber, entre um gole e outro, fez um disco recheado de boas canções e alguns sorrisos de estórias.

por Carlos Gomes

Download:  Molho