Mostrando postagens com marcador Nuda. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Nuda. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Nuda - Amarénenhuma (2011)


Do encontro da pedra com o mar, no litoral pernambucano, surge a Nuda. Sólida e fluída, a música do grupo, formado no Recife em 2006, seduz pelo modo com que recorre ao samba, ao tango, ao reggae, à bossa e, claro, à riquíssima tradição nordestina para criar algo que, ao fim e ao cabo, só pode ser traduzido como rock.
Mas o quarteto – Raphiro (voz e guitarra), Henrique Caçapa (baixo e voz), Arthur Dossa (guitarra e voz) e Antonio Marques (bateria) – passa longe dos clichês do gênero e mergulha em sua essência: libertária e vigorosa.  Na praia da Nuda, o cru e o delicado se enfrentam em duelos de guitarras e jogos de palavras e se transformam em canções que encantam pela coragem e beleza.
Foi com meia dúzia delas registradas em um EP – Menos Cor Mais Quem (2008) – que a banda começou a circular e participou de eventos como Festival de Inverno de Garanhuns (PE), Festival DoSol (RN), Festival Garimpo (MG), Festival Jambolada (MG), Festival Volume (MT), Festival Grito Rock (GO), Festival Usina da Cultura (RN), Festival Feira Noise (BA), Festival Big Bands (BA), Festival Pré-Amp (PE), dentre outros, em três turnês que passaram por mais de 20 cidades brasileiras.
O reconhecimento não tardou a vir. O EP foi parar na lista de melhores discos do ano da Trama Virtual, que depois abriu portas para a Nuda gravar o single Maruimstad (2009) no programa “10 horas no Estúdio” (produzido pela Trama e exibido no Radiola, da TV Cultura). A música, que retrata a cidade natal do grupo de forma nada idílica, foi incluída nas coletâneas +Soma Amplifica Vol. 2, Revista O Grito! – Ano 2, e ganhou as páginas de blogs de todo o mundo representando o Brasil na edição de abril de 2011 do Music Alliance Pact. A Nuda também foi convidada a gravar uma releitura de “Mother Nature’s Son” para do Tributo ao White Album – Indie Version, organizado pelo jornalista carioca Marcelo Fróes em comemoração aos 40 anos do disco dos Beatles.
Sua sonoridade universal e lirismo ímpar, também foi destaque em programas televisivos (Acesso MTV, Atitude.com, Radar, Alto Falante), rádios (Oi Novo Som, Coquetel Molotov, Rádio Levis, Independência ou Marte, Universitária, Reator, Radio Cultura), jornais como o Estado de S.Paulo, Estado de Minas e os principais cadernos de cultura de Pernambuco, revistas como +Soma, Vice e Rolling Stone, além de marcar presença em blogs como Movin’ Up, Bloody Pop, Pop Up!, Recife Rock, Hominis Canidaee, Miojo Indie, Music For The Pueblo, entre outros.
Em 2011, a Nuda lança seu álbum de estréia, AMARÉNENHUMA. Resultado de mais de um ano de dedicação, o disco foi gravado no Fábrica Estudios e mixado por Pablo Lopes e Arthur Dossa. A masterização coube ao norte-americano Don Grossinger, ganhador de um Grammy pelo disco Embryonic, do Flaming Lips, e que já trabalhou com gente como Brian Wilson, Rolling Stones e Pink Floyd.Com participações especiais de Bactéria, Cezzinha do Acordeon e Lucas dos Prazeres, AMARÉNENHUMA traz uma releitura corajosa para “Ode aos Ratos” (Chico Buarque e Edu Lobo) e 10 canções de autoria do grupo que falam do amor, questionam crenças e abordam a fragilidade do ser humano, além de conduzir o ouvinte à praia de Calhetas e outras cenas de Pernambuco – terra reconhecida por manifestações multiculturais e contrastes sociais, influência inegável na linguagem musical e poética da Nuda.


Download: Amarénenhuma