Mostrando postagens com marcador Roger Man. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Roger Man. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Roger Man - O Caminho do Lobo (2012)




Depois de lançar o EP solo, em 2010, "Pompéia Volume 1", Roger Man lança seu primeiro trabalho independente. O CAMINHO DO LOBO é o conceito que dá vida à obra e traz à tona um compositor, intérprete e cantor mais maduro, seguro e determinado com o trabalho.
Músico de destaque entre os nomes pernambucanos de sua geração, Roger Man usa a palavra amadurecimento para apresentar as 10 faixas do CD, cujas composições são todas próprias e falam sobre o amor.

Com passagem pelo grupo Eddie, onde tocou baixo por mais de sete anos, fundou também o grupo Bonsucesso Samba Clube, uma das mais representativas bandas do Estado dos últimos anos com dois discos lançados e diversas turnês dentro e fora do país, o músico, ficou refletindo sobre tudo o que viveu e ainda o que precisa viver. A conclusão, não podia ser diferente, surge determinadamente mais romântico, sem deixar de lado a elegância poética que lhe é inerente.

Revelando que o disco vem dedicado às mulheres, sempre personagens do caldeirão de experiências que a vida proporciona, Roger derrama em seu novo trabalho todos os altos e baixos, dessabores e amores, tropeços e vitórias, mancadas e sorrisos que fizeram parte da sua trajetória até os dias de hoje. Tudo isso lhe rendeu além dos fios de cabelo branco, conhecimento e experiência, é esse substantivo que dá o tom de "O CAMINHO DO LOBO".

Para o disco, Roger se preparou de forma específica, fez aulas de canto e violão, além de outros laboratórios orientados pelo diretor artístico e arranjador André Frank – que batizou "O CAMINHO DO LOBO" como tradução perfeita para este momento do artista. São 10 músicas que seguem a estética de um bom disco, com excelentes melodias, refrões fáceis, uma produção orquestrada e refinada, que deixa a voz em primeiro plano. Pura e viva.

O projeto gráfico do disco é do designer pernambucano Sérgio Pontes. Foto da capa de Marcelo Lyra. Produção artística de André Frank. O disco foi masterizado nos estúdios Kevorkian Mastering, de Nova Iorque, por Fred Kevorkian, engenheiro responsável por trabalhos premiados de The White Stripes, Dave Mathews Band, Iggy Pop, Willie Nelson entre outros grandes artistas da música pop.


O CAMINHO
por André Frank

Roger Man, nascido Rogério Homem de Siqueira Cavalcanti, inicia uma nova etapa em sua carreira e abre um horizonte infindável de belas possibilidades. Para este trabalho a busca pela leveza dos arranjos, que deixassem com que as melodias fluíssem com toda a clareza, e sobretudo, a busca pela interpretação perfeita para cada canção, foram os nortes buscados incansavelmente pela direção artística e produção deste álbum. Roger Man atingiu todos esses objetivos n'O CAMINHO DO LOBO com pleno êxito – basta escutar canções como "Triste, Feliz ou Feroz" e "Baú de Emoções", ambas realçadas pela dramaticidade que somente ao piano seria possível.
As inúmeras aulas de voz, os estudos de violão, a lapidação das canções, e a percepção musical foram exigidas e trabalhadas de forma criteriosa e, por que não dizer, religiosa. Sem o empenho do artista este resultado teria sido bem diferente.

Neste disco, recheado de belas canções, as boas referências de Neil Young, Johnny Cash, The Beach Boys, Elis Regina, Roberto Carlos, Hyldon, Scott Walker, e outros exímios cantores, foram a base para os estudos e o ponto de partida para a criação de um estilo próprio, particular, e que imprimem, de forma afirmativa, uma marca artística coesa e única.
Em "O CAMINHO DO LOBO" Roger Man caminha pela trilha artística que tanto buscou, repleta de verdade, poesia e melodia.

* André Frank é Diretor Artístico e Arranjador d'O CAMINHO DO LOBO.




O LOBO
por Roger Man

Assim que o lobo chega ao topo da colina, está ofegante e arisco. Olha para o caminho que deixou para trás, lentamente vai lembrando dos passos...dos atalhos, das histórias vividas, tantas lembranças, lutas ganhas e outras perdidas. Na pele cicatrizes e tatuagens que contam bons momentos, amores e guerras.
Quando o peso do corpo se faz presente, os pelos brancos não deixam mentir, faz tempo que se está na estrada. É nesse momento que se levanta com toda força e uiva, cantando as verdades, mentiras e dores do seu mundo particular.
Assim que o lobo chega no topo da colina, certo do percurso corrido, dos momentos vividos, descansa a alma e se põe a cantar...

Download: O Caminho do Lobo