Mostrando postagens com marcador Wado. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Wado. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Wado - 1977 (2015)




Wado é o nome artístico de Oswaldo Schlikmann Filho, cantor e compositor brasileiro de música popular, nascido em Florianópolis e radicado em Maceió desde os oito anos de idade.
Com mais de dez anos de estrada, Wado traça caminho sólido e estilo musical com referências de samba, rock e de inúmeras variantes da MPB. A discografia vigorosa e elogiada por público e crítica combina composições autorais e parcerias com Zeca Baleiro, Marcelo Camelo, Chico César, Momo, Lucas Santtanna, Fernando Anitteli e tantos outros. Wado também já foi gravado por Marcos Valle e Maria Alcina.
Agora, ele brinda seu público com um novo disco: 1977.
Wado, 1977

O norte sem norte: o não se repetir. O novo disco de Wado segue na contramão do anterior, Vazio Tropical, e tem uma abordagem mais expansiva nas canções, usando a linguagem do rock. A estética, inclusive, se coloca antes dos conteúdos: os arranjos mandam nas canções. O disco traz esse espírito sem fronteiras do rock’n’roll e contém sotaques do mundo, que estão nas vozes de convidados do Uruguai, Alemanha, Portugal, Brasil e Argentina.


Download:  1977


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Wado (Discografia)



Site Oficial do Wado: http://www.wado.com.br/

O que esquenta o sangue de wado que agora vive no verão sem fim de Alagoas é a forma como as periferias do mundo têm construído a nova música através de quase nada de matéria prima. Transformando arte bruta em estúdios caseiros, com microfones baratos e pouco conhecimento técnico, mas com muita urgência, energia e gana.
A subversão não está mais na estética do punk, domesticado e adocicado em canções de amor. O que dá voz a quem não tem voz hoje são ritmos como o funk carioca, o reggaeton e os afoxés baianos. Wado foi beber nestas astúcias da periferia para construir a estética de seu novo álbum, Terceiro Mundo Festivo.

São os ritmos terceiro-mundistas que permeiam este novo disco que também traz referências mundiais como as batidas de Timbaland, Pharrel e M.I.A. O disco é um passeio por novas levadas, americanas e africanas e também, um retorno a concisão de discurso dos seus primeiros discos.


O Começo; No Brasil; Na Europa:

No ano de 2001 Wado lança o seu primeiro CD e chama a atenção dos brasileiros para a nova safra de compositores que fazem “música inteligente”, como bem afirma o jornalista Pedro Alexandre Sanches em matéria para o jornal Folha de São Paulo.
Foi a partir deste trabalho que Wado começou a ser reconhecido e respeitado em outros estados do Brasil, figurou em muitas listas de disco como o melhor do ano. Alexandre Matias, não só colocou o Cd de Wado no topo de sua lista com também escreveu uma crítica com declarações sobre tal escolha, “e agora vem Wado, com seu excelente O Manifesto da Arte Periférica, até agora o melhor disco de 2001. Sai Daft Punk, sai Vídeo Hits - o lugar é deste catarinense radicado em Maceió que conseguiu fazer um disco com sotaque, mas sem soar pós-mangue beat. Os dois discos que mais gostei no ano passado foram o do Mundo Livre S/A e o do Badly Drawn Boy. Wado converge os dois e cria um Damon Gough sambista, praiano.” – trecho do artigo publicado no Correio Popular (SP).

Aos 25 anos Wado começa a participar de projetos envolvendo o mercado internacional, na época do lançamento de seu segundo disco, “Cinema Auditivo”, quando foi convidado para participar do Tim Festival, oportunidade em que se apresentou ao lado de bandas como Los Hermanos, Lambchop, 2manyDJs e Public Enemy. Mostrando os timbres ousados, letras marcantes e a pegada firme nos grooves.

Depois de ter rodado quase todo o Brasil apresentando seu show, Wado grava “A Farsa do Samba Nublado” e com ele é selecionado pela FUNARTE para participar do Projeto Pixinguinha, antiga e lendária atividade do Ministério da Cultura que promove o intercâmbio de manifestações musicais entre as diversas regiões do país. Assim, em 2004, Wado excursionou pelo Sul e Sudeste do país ao lado de artistas como Rita Ribeiro, Totonho e Carlos Malta.

Em 2005 a França comemora um grande evento, “O ano do Brasil na França” e a caravana da qual Wado fez parte no Projeto Pixinguinha é escolhida para representar o Brasil. Este foi o primeiro show que Wado fez na Europa, na cidade de Paris. No ano seguinte é novamente selecionado para representar o Brasil, na cidade de Berlim – Alemanha no projeto Copa da Cultura / Música do Brasil, onde apresentou seu show dançante durante a Popkomm, Feira de Música Internacional. A música de Wado já circula pelo mercado europeu através da Coletânea Brazil Luaka Bop e da Coletânea da revista Tip Popkomm, com 80 mil cópias.

Wado já esteve em de festivais como Coquetel Molotov e Rec Beat (PE) Goiânia Noise (GO), Com: tradição (SP), FMI (BSB), Feira da Música (CE) além de vários outros eventos importantes do calendário nacional.

Discografia:
2001 - O Manifesto da Arte Periférica
2002 - Cinema Auditivo
2004 - A Farsa do Samba Nublado
2008 - Terceiro Mundo Festivo
2009 - Atlântico Negro
2011 - Samba 808


http://www2.uol.com.br/wado/
   

Download: O Manifesto da Arte Periférica


Download: Cinema Auditivo


Download: A Farsa do Samba Nublado


Download: Terceiro Mundo Festivo


Download: Atlântico Negro


Download: Samba 808

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Wado - Samba 808 (2011)


Aos amigos, compositores, parceiros, jornalistas e ouvintes.
Depois de cinco discos, dez anos de chão e afirmação confirmada de que fazemos isso
mais por necessidade de expressão e realização pessoal que por questões de mercado,
chegamos de Alagoas agora com este Samba 808.
Tem entre duetos e parcerias uma constelação:
Zeca Baleiro, Curumin, Chico César, Marcelo Camelo e Mallu Magalhães, Fernando
Anitelli, Fábio Góes, Alvinho Lancellotti, André Abujamra e Momo.
E minha querida banda:
Rodrigo Peixe, Pedro Ivo Euzébio, Dinho Zampier, Bruno Rodrigues e Vitor Peixoto.
Depois de conversas com alguns selos nada pareceu muito justo ou recíproco nos
interesses e optamos por extremar o do it yourself deste álbum:
Estar em selo/gravadora servia para distribuição e para dar visibilidade, visibilidade
gravadora não tem dado e distribuição... Os caminhos na internet têm resolvido isso
melhor.
Este disco é um presente pra você.
Lançar ao mesmo tempo para o público e mídia foi nossa idéia, dando brechas para sorte
e subvertendo as antigas prioridades do sistema de distribuição, que tinha como prérequisito
a aceitação da mídia e espaços comprados para a divulgação.
As músicas estarão editadas de forma tradicional para rádio, TV e demais mídias e irão
gerar o direito autoral de praxe.
Existem outras questões também relativas a lançar o novo disco digitalmente apenas, no
site, disponibilizando todas as faixas e encarte, um contador de downloads será nosso
termômetro.
Desta forma poupamos um pouco de plástico e papel deixando o disco apenas como
uma obra intelectual sem suporte fixo para se ouvir, o que já é a prática da maioria (e que
economiza um tanto de outras tralhas, não haverá informação tátil, pensamos mais pra
frente de ter uma prensagem como souvenir de show, isso é incerto), damos um passo
adiante em muitas questões, podemos ter problemas com a falta dele físico, mas me
parece bem coerente com a cultura do mp3 hoje e a natureza do disco nos anos 10 que
estamos vivendo.
Aos blogueiros amigos, pedimos que postem/recomendem o disco apontando para o
nosso site (http://www.wado.com.br/download/discos/wado-samba808-2011.zip) para
que saibamos realmente quantos downloads foram feitos.
De ser o Samba 808 tocado com uma máquina velha reutilizada, de ser um refugo de
tecnologia, é bem dentro do raciocínio. Baixa, deleita ou deleta, fofoca pros amigos que é
bom ou ruim e convida os outros a clicarem neste borro de gêneros.
Wado


Download: Samba 808



terça-feira, 6 de abril de 2010

Wado e Realismo Fantástico - A Farsa Do Samba Nublado


Wado estreou na cena musical brasileira com um disco que chamava a atenção já no título: Manisfesto da Arte Periférica. De cara, Wado procurava cutucar o público, tentando mostrar que se fazia música boa fora do eixão RJ/SP. "Eu tenho muita vontade de lutar pelo reconhecimento das outras regiões brasileiras, de criar mercados locais que sejam integrados a outros mercados locais e que permitam um intercâmbio maior entre os independentes", dizia o músico em entrevista ao S&Y, isso três anos atrás.



Mais de mil dias se passaram, Wado lançou um segundo disco bastante elogiado, tocou na primeira edição do Tim Festival, no Rio de Janeiro, em 2003, e seguiu na difícil estrada dos jovens músicos no Brasil, fazendo música, tocando, trabalhando, tocando e fazendo música. E trabalhando, mas não deixando de tocar. "Ainda temos o sonho de viver de música", diz Wado, apresentando seu terceiro álbum. "É um disco estranho, que contém sambas estranhos e músicas de letras fortes e sonoridade de estúdio profissional".



A Farsa do Samba Nublado (Outros Discos) traz algumas mudanças, tanto em sonoridade quanto nas letras e em conceito. Primeiro de tudo: a banda agora assina Wado e Realismo Fantástico. "Acreditamos que assim seja mais justo". As letras: "Estão mais longas, o que é uma diferença de abordagem que eu queria tentar, passar longe da concisão que são as letras dos outros discos, tentar algo novo". O som: "Os arranjos estão mais bem resolvidos", garante.



Ok, é preciso dizer que isso tudo é teoria. Na prática, estender o nome da banda significa que o grupo está unido e, que tudo o que vier, de alegrias a tristezas, será dividido por quatro. As letras podem até estar mais longas, mas estão mais decifráveis (seja lá o que isso queira dizer). É possível ouvir o disco uma vez e sair cantarolando as canções em seguida, e isso é mérito. Quanto ao som, esse é o disco mais direto da banda. E o mais triste. Rock e samba se influenciam, se abraçam e saem de mãos dadas pelo salão. Alvinho dispensa a guitarra e aposta no som do violão, claro, atulhado de efeitos e de wah wah. O resultado é um som dançante, pop, inteligente e com um q de melancolia e de nuvens negras.

1. Tormenta
2. Grande poder
3. Vai querer?
4. Alguma coisa mais pra frente
5. Carteiro de favela
6. Gargalhada fatal
7. Fuso
8. Amor e restos humanos
9. Se vacilar o jacaré abraça
10. Ode à maldade
11. Deserto de sal
12. Pé de carambola (bonus track)


Download:Wado