terça-feira, 12 de novembro de 2013

DJ Dolores - Banda Sonora (2013)



Veterano da cena Manguebeat, DJ Dolores está na ativa há mais de 20 anos, várias tournês  mundo afora e seis álbuns com trabalhos de carreira e trilhas sonoras.

DJ Dolores já remixou faixas de Chico Buarque, Tribalistas, Bob Marley (oficial), Sizzla, Perez Prado e Taraf de Haïdouks, entre outros.  Seu remix para Gilberto Gil foi lançado pela revista americana Wired como parte do projeto “Rip, Mash, Sample, Share”.

Como compositor de trilhas sonoras, participou de vários filmes, destacando-se “A Máquina”, “Narradores de Javé”, e mais recentemente, “Estradeiros” e “O som ao redor”. Também compôs músicas originais para teatro e dança.

Vencedor do BBC Awards, na categoria “Club Global”, ganhou duas vezes o prêmio da música brasileira (antigo prêmio TIM) com seus discos.

Download: Banda Sonora

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Escama de Peixe - Rato Cola (2013)



Escama de Peixe é uma banda de rock com forte influência pós-punk. Reúne músicos de várias bandas do underground e da cena independente de Belo Horizonte. Composições de versos curtos e diretos falam do mundo contemporâneo através de alegorias e uma boa dose de deboche. Rato Cola é o álbum de estréia da banda que traz uma instigante colagem de sonoridades: punk, ska, blues, funk e muito rock brasileiro. Produzido na íntegra de forma independente no estúdio caseiro do Colégio Invisível, foi realizado através de uma rede colaborativa física e virtual. Músicas para dropar, flipar e dançar no último volume.
Escama de Peixe é Annita Matta Verme (Vocal), Lacierda Cienfuegos (Guitarra), Pixxx (Baixo), Porquinho (Guitarra e FX), Pyrata (Vocal), Tuca (Vocal), Ubu (Bateria) e Zé Carniça (Metais).

Download:Rato Cola


sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Felipe Cordeiro - Se Apaixone Pela Loucura do Seu Amor (2013)




CARLOS ALBUQUERQUE


Uma semana antes de entrar no estúdio para gravar seu novo disco, aquele que sucederia o elogiado “Kitsch pop cult”, de 2012, Felipe Cordeiro reparou que tinha um problema. O cantor, compositor e guitarrista paraense — que toca hoje à noite no Circo Voador, abrindo para Arnaldo Antunes, às 22h — não tinha uma música que resumisse o espírito do futuro trabalho, que sintetizasse o suingue e a irreverência das outras composições que já tinha esboçado. Faltava algo.

— Faltava fuleiragem — resume ele. — Esse sentimento ultrapopular, de sarro, de sátira.
Foi quando um amigo lhe contou uma briga que presenciou na rua, envolvendo um esquentado casal. Em determinado momento da discussão, a mulher sacou uma frase inusitada, que finalizou a discussão como um ippon: “Você pra mim é problema seu!”, exclamou ela. O jogo de palavras encantou Cordeiro, que criou a música “Problema seu”, a última a ficar pronta e a primeira a ser ouvida no disco “Se apaixone pela loucura do seu amor”, que lança hoje no show. Desde quarta-feira, três faixas dele (“Ela é tarja preta”, “Louco desejo” e “Lambada alucinada”) podem ser baixadas gratuitamente no site Natura Musical (naturamusical.com.br), que apoiou o trabalho.
— Esse disco sai um pouco do terreno do kitsch, que estava bem presente no trabalho anterior, para cair mais num pop tropical para valer — conta o músico. — As canções acabaram girando em torno do amor, esse tema clássico que todo autor que se preze tem que tocar um dia.
Com uma economia no uso de samples e outros recursos eletrônicos, “Se apaixone pela loucura do seu amor” leva a assinatura dos produtores Kassin e Carlos Eduardo Miranda, que trabalharam ao lado de Felipe e seu pai, o guitarrista Manoel Cordeiro (também parceiro em quatro músicas do disco).
— Kassin e Miranda são criativos, ousados, livres, não têm limites. Precisava de gente assim ao meu lado — conta ele. — E o Kassin acabou tão apaixonado pelo meu pai que, no fim das gravações, formamos uma banda para ele. Ela vai se chamar Manoel Cordeiro e os Desumanos, com a participação do Liminha. A estreia vai ser em novembro, no festival Se Rasgum, em Belém.
Desse convívio saíram músicas como “Louco desejo”, com timbres que remontam aos anos 1980, e “Lambada alucinada”, dedicada ao amigo Maderito, vocalista da Gang do Eletro.
— “Louco desejo” tem um contraste legal entre os teclados, meio gélidos, e as guitarras, soltas e com muito suingue — explica ele. — Já “Lambada alucinada” é bem rápida, nervosa, com guitarras malvadas, que me fizeram lembrar do Maderito, uma pessoa adorável.
Da parceria com Arnaldo Antunes, nasceu a divertida “Ela é tarja preta” (que acabou gravada também pelo ex-titã em seu “Disco”).
— Estava a fim de compor com Arnaldo há um tempão. Um dia nos encontramos na casa dele, abrimos uma garrafa de vinho e começamos a falar besteira. Ficamos tão empolgados com a letra que nós dois resolvemos gravá-la. A ideia da letra foi do meu pai, sobre esse tipo de mulher-problema que a gente pode encontrar. Ou homem-problema. Depende do ponto de vista.
E de tanto ouvir falar da “cena” musical de Belém, Cordeiro acabou criando uma das faixas centrais do disco: “Brea époque”.
— Nos anos 1920, a cidade sofreu forte influência europeia, na arquitetura, na música, em quase tudo. Diziam que era a Belle Époque adaptada para a Amazônia — reflete. — E hoje Belém vive uma explosão cultural em torno de um local que tem os problemas das grandes cidades, sem as vantagens. A letra reflete essas contradições que fazem Belém ser o que é. E brear é uma expressão local, significa ficar suado, lambuzado por calor e umidade



quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Marcelo Jeneci - De Graça (2013)



Em parceria com o Portal Natura Musical, o cantor e compositor Marcelo Jeneci apresenta seu novo álbum “De Graça” via streaming gratuito. O link para a audição está disponível no site do Natura Musical .

Deixando a monotomia, Marcelo Jeneci apresentou o single “De Graça” – uma das músicas do disco – há 2 semanas atrás e assume o balanço do novo trabalho com a mensagem: “O bom da vida é de graça e ache graça quem quiser achar”.

Produzido por Kassin e co-produzido por Adriano Cintra, o álbum chegará às lojas em novembro. Jeneci se despede de seu antigo trabalho “Feito Pra Acabar” e floresce em uma nova fase ensolarada de sua carreira.


Download: De Graça


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Onda Vaga (Discografia)

Fuerte Y Caliente (2007)



A banda nasceu, em solo uruguaio, com membros argentinos da união de duas bandas: Doris ( Nacho Rodriguez e Marcelo Blanco) e Michael Mike ( Marcos Orellana e Thomas Justo Gaggero ) e o alemão Cohen ( Satélite Kingston ) nos vocais e trombone .

Desde a sua criação , em 2008, Onda Vaga não escolheu o caminho habitual para promover-se na indústria da música. E, graças ao boca a boca de um público que os segue a partir de então tornou-se um evento cult com apresentações constantes, sempre a casa cheia .

Com a história de seis anos , a banda gravou três álbuns de estúdio : " Fuerte y Caliente” (2008), “Espíritu Salvaje” (2010) e "Magma Elemental" (2013) dedicado à cena local em quatro turnês européias e consagração como banda revelação no Fuji rock Festival , no Japão ( http://www.youtube.com/watch?v=giApjnkEx3w ) onde tocaram no mesmo palco com bandas como Radiohead, Stone Roses , Justice , Beady Eye e Noel Gallagher. A banda se apresentou na frente de mais de 10.000 pessoas e foi citadapela Billboard por sua energia no palco e aceitação do público .

2013 encontrou-os com um show de despedida do material anterior no Konex , em fevereiro, ele voltou a ser vendido para fora . Em janeiro de 2013 David Byrne reuniu uma seleção de músicas de artistas americanos em sua rádio on-line e destaca Onda Vaga com 4 músicas em uma lista de reprodução para compartilhar com Café Tacuba , Kevin Johansen , Natalia Lafourcade , Carlinhos Brown e Los Fabulosos Cadillacs , entre outros artistas estas latitudes ( http://www.davidbyrne.com/radio/index.php ) .

A banda oficial do Facebook ultrapassa 150 mil fãs e da participação das pessoas com comentários compartilhados e postagens em suas próprias paredes mostra claramente o entusiasmo e lealdade do público com a banda.









Espiritu Salvage (2010)



Download: Espiritu Salvaje









Magma Elemental (2013)



Download: Magma Elemental



segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Cérebro Eletrônico - Vamos Pro Quarto! (2013)



O Cérebro Eletrônico foi formado por volta do ano 2002 por Fernando Maranho e Tatá Aeroplano. Em 2003 eles gravaram em esquema caseiro e lançaram o primeiro disco intitulado "Onda Híbrida Ressonante" pelo selo Reco Head. O experimentalismo fez parte desse trabalho, que apesar de estar centralizado na música eletrônica, apontava o tropicalismo como a grande referência musical. 

Após o lançamento do primeiro disco, o "duo" Cérebro Eletrônico foi aos poucos tornando-se uma banda e diversos integrantes passaram pela fase inicial, entre eles Dudu Tsuda (teclados), Isidoro Cobra (baixo e backing vocal) e Helena Rosenthal (violão e backing vocal). O baterista Gustavo Souza faz parte da banda desde a primeira formação.

Por volta de 2006, a banda começou a criar um repertório de canções genuinamente "pop", onde o cinema, o dadaísmo, a literatura fantástica e a "mojicália" estavam estampados em notas e letras do que seria o segundo disco, intitulado "Pareço Moderno", lançado em 2008 em múltiplos formatos pela Phonobase Music Services. Desta vez a banda gravou em estúdio com o produtor Alfredo Bello (Dj Tudo). 

Em 2008 e 2009 entraram na banda Fernando TRZ (teclados) e Renato Cortez (baixo) que participaram do terceiro disco intitulado "Deus e o Diabo no Liquidificador", lançado em 2010. Canções como Decência, Cama, Sóbrio e Só e o Fabuloso Destino do Chapeleiro Louco, trouxeram uma roupagem mais psicodélica e guitarreira à banda. Alfredo Bello e Fernando Maranho assumiram a produção. 

Em 2013 foi lançado o quarto disco da banda "Vamos pro Quarto!", que pode ser considerado o mais eclético e experimental de todos os seus álbuns, com músicas de diversos tipos e jeitos, algumas bem inusitadas. Com produção e composição coletiva, o disco foi concebido em um fim de semana alucinante nas montanhas de Bragança Pta. A mix, gravação e coprodução ficou a cargo de Otavio Carvalho, o "Ota".


Download: Vamos Pro Quarto


segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Baleia - Quebra Azul (2013)




Depois de um ano dividindo-se entre shows e estúdio, a banda Baleia faz uma brilhante estreia com o álbum ‘Quebra azul’. A produção de ouro, comandada por Bruno Giorgi e Lucas Ariel, traz uma nova proposta musical: desprendendo-se um pouco do estilo jazzístico que marcou as antigas canções para, agora, apostar no ‘pop progressivo’ – termo que simboliza o novo trabalho.  ”Não foi uma fuga consciente, foi uma evolução natural do grupo. Quando a gente começou, a banda era uma brincadeira séria. Tínhamos um fetiche de tocar jazz. A mudança foi um processo inevitável de cada um colocar suas influências no som”, explicou o vocalista Gabriel Vaz. O grupo que começou a ganhar atenção pelo cover jazzy de ‘What goes around… comes around’, de Justin Timberlake, dessa vez buscou inspiração no formato não-cíclico (que não repete versos e refrão em ciclos), usado pela banda inglesa Radiohead, resultando em inícios calmos e ritmos energéticos que crescem progressivamente ao longo das canções.

Os arranjos inusitados (com a presença até de um violino) foram combinados a elementos criativos, como guitarras distorcidas,  duas baterias e até mesmo uma escova de dente, tudo isso em uma mesma música! Com seis integrantes e referências musicais distintas, a banda prefere não seguir uma linearidade e opta por crescer mutuamente. “É tudo bem caótico. O que a gente tem em comum é uma vontade de não se acomodar musicalmente, nunca ir pelo caminho mais fácil. É bem trabalhoso, mas a gente se propõe a pensar muito a cada música que faz”, contou.


Download: Quebra Azul